quinta-feira, 7 de abril de 2016

Sobre Interlagos...

Interlagos sempre teve e sempre terá uma atmosfera especial, uma coisa nostálgica e que sempre traz um friozinho na barriga ao chegar no portão do autódromo.
A memória começa a pipocar em frente aos olhos cenas e mais cenas de provas passadas, acontecimentos importantes, fatos que marcaram o automobilismo e boas lembranças, mas tal qual um soco no estômago isso tudo é interrompido ao colocar os pés no "Templo". O estado em que se encontra o autódromo é lastimável. Uma várzea, um desrespeito com o patrimônio público. Ratos (os bichos mesmo, não os políticos, neste caso) fazem a festa e andam por todas as partes do autódromo. Mato, sujeira e sobra de materiais utilizados nas montagens de palcos para shows (pregos, parafusos, madeira, etc.) estão por todo o lado.
A parte dos boxes continua em reforma, e o que já está pronto é caso de polícia, uma vergonha total! É simplesmente inacreditável ver as coisas daquele jeito. "Nossos" autódromos de terra dão um baile em infraestrutura!
Feito este apêndice de indignação, vamos ao que interessa: carreras!
Fui pra Interlagos a convite do Mário Diego Broering, que faria (e fez) sua estreia na Old Stock, uma das coisas mais espetaculares do automobilismo brasileiro nos últimos tempos. A categoria é lindíssima, os carros são um espetáculo e é impossível não ficar com os pelos arrepiados e os olhos cheios de lágrimas ao ver aqueles Opalas na pista!
A Old Stock e a Classic fazem a gente entrar num túnel do tempo e dá vontade de não sair de lá nunca mais!
A parte mais bacana, além dos carros na pista, foi rever a turma de 'malucos' que há muito tempo não via, além dos novos amigos, especialmente os que até então a amizade estava apenas no virtual e agora foi pro mundo real.
Trocar ideias, informações e "ver um mundo diferente" daquele que estamos habituados é sempre muito bom, e ter como a "cereja do bolo" uma receptividade do nível que tive, é pra fazer o coração transbordar de alegria!
Não vou agradecer nominalmente a todos pra não cair na besteira de não citar alguém, mas quero regraciar muito aos companheiros de viagem, aos amigos de SP e os "dinossauros" das antigas que revi e outros que conheci nesta viagem.
Espero em breve voltar, valeu a pena cada quilômetro rodado, por mais que a viagem seja longa. Obrigado pelo carinho e pela acolhida!
O Opala 72 da dupla Luiz Carlos Zappelini / Djalma Fogaça tem "POEIRA NA VEIA"...
... assim como o Opala 50 da dupla Mário Diego Broering / Fábio Fogaça.


 
"Zappa"


 
"O Monstro"


Imagens: Acervo pessoal Francis H. Trennepohl / Victor Lara - Box News

7 comentários:

Marcelo Cancian disse...

Infelizmente,nosso pais nao da a minima pro automobilismo,dia apos dia,estamos tendo provas disso...Mas fantastico o seu final de semana Francis...Um forte abraço..

Francis Henrique Trennepohl disse...

Pois é, infelizmente Marcelão...
Abraço

Fabiani C Gargioni #27 disse...

Este é o verdadeiro espírito POEIRA NA VEIA Francis !!!

Fabiani C Gargioni #27 disse...

Grande Francis, já estive aí e senti realmente uma atmosfera diferente, a gente que ama isso aí se emociona de verdade !!!

Francis Henrique Trennepohl disse...

Valeu Fabiani!
Abraço

Mario Broering disse...

Foi show! Obrigado pela companhia!

Francis Henrique Trennepohl disse...

Valeu Diego, eu é que agradeço!
Abração