segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Imagem do Dia

Autódromo "Cavalo de Aço", Joaçaba, 1993. 
Helmuth Schroeder (Opala 21), Vitalino / Vilmar Gargioni (Opala 27), Pedro Genildo Machado (Opala 8),Luiz Carlos Zappelini (Opala 22), Sílvio Cervi (Opala 10), Juventino "Paulão" Cardoso (Opala 51), Jorge Camargo (Opala 37), Osvaldo Rodrigues (Opala 12) e Eduardo Simão (Opala 25).

Foto: Acervo Alex "Xerife" Fernandes 

12 comentários:

Marcelo Cancian disse...

Francis,ai vc quer arrebentar nossos corações eim...hehehe... belissima imagem,fantastico,e olha o opala do camargo,olhando assim,a pintura,nao lembra o teu passat???
Forte abraço,otima semana

Francis Henrique Trennepohl disse...

Valeu Marcelão!
Não tinha me tocado disso, mas tem uma lembrança da pintura mesmo.
Abraço e boa sorte na nova fase que se inicia hoje!

Adolf Schartner disse...

Belíssima foto.

Tudo indica que o Helmuth já deu um totózinho em alguém, provavelkmente nos treinos.

Francis Henrique Trennepohl disse...

Adolf, eu tava nessa corrida e o Opala já chegou com esse amassado na frente. Certamente resquício de uma prova anterior.
Abraço

Adolf Schartner disse...

Hahaha muitas vezes os pilotos preferem só fazer reparos quando eles se acumulam, para assim economizar os recursos disponíveis.

Francis Henrique Trennepohl disse...

Isso mesmo, e em 1993 a economia não ajudava muito também...

Marcelo Cancian disse...

Valeu Francis...muitissimo obrigado

Amigos da poeira disse...

Show verdade Marcelo o opala lembra mesmo a pintura do Passat do Francis show mesmo grande abraço a todos.
Luan Dapper

Deivicris de Cristo disse...

Tesão, piazada! Fiquei devendo histórias de quando o Alemão aparecesse, mas tem uma história sobre esta foto mesmo, e onde exatamente nesta prova uma das atitudes do nobre Alemão marcou para um piloto, onde faltava uns pilas pra ir pra Joaçaba, e ele inteirou a grana, mesmo sabendo que haveria grande possibilidade de rasparem paralamas. Este Alemão não existia igual mesmo.
Abraços, poeiras!

Francis Henrique Trennepohl disse...

Isso mesmo, Cris, tanto é que o Genildo tá com o patrocínio do Alemão no parabrisas. Ele era um puta incentivador do automobilismo.

Adolf Schartner disse...

Deivicris, o cara era uma pessoa fantástica mesmo. Tinha lá seus defeitos. Mas quem não tem?
Nos 3 anos que trabalhei na empresa dele, na década de 1970, ele não foi meu patrão, nem eu o empregado dele. Eramos amigos. Tanto é que em inúmeros finais de semana ele me convidava para ir junto com a família dele para praia e outros passeios e certa vez que me envolvi num acidente com o carro novinho dele (não tinha nem placa ainda) ele apenas deu rizada e não me cobrou um centavo do prejuízo.

Francis Henrique Trennepohl disse...

Sou suspeito pra falar, pois gostava muito do Helmuth e me dava bem com ele, e como você bem disse, Adolf, tinha seus defeitos, mas era uma figura espetacular!