sexta-feira, 15 de novembro de 2019

Desafio Poeira na Veia

Essa é tão fácil, tão cheia de elementos, que fui obrigado a fazer uma "arte" sobre o nome dos pilotos na porta do carro pra não entregar de bandeja o presente!
Quem? Quando? Aonde?
Mãos a obra!

Foto: Acervo Alex "Xerife" Fernandes

15 comentários:

Marcelo Cancian disse...

Roberto Pruner,autódromo de Brasília,em 1991...
O outro piloto,não tenho idéia....

Francis Henrique Trennepohl disse...

Morno...

Gian Fernando de Lima disse...

Copa shell em Curitiba

Francis Henrique Trennepohl disse...

Tá ficando mais quente!

Gian Fernando de Lima disse...

Lenda Roberto Pruner...

Unknown disse...

Beto Pruner e Jair Ganso. Rafael Mafra

Francis Henrique Trennepohl disse...

50%, Rafael! hahaha

Unknown disse...

Então é o Gastão e Beto Pruner. Rafael Mafra 😁😁😁😁😁😁

Francis Henrique Trennepohl disse...

"Chutômetro" a milhão... hahahahaha

Marcelo Cancian disse...

Ninguem acertou ainda?

Ansioso para saber a resposta.. kkkkkkk

Francis Henrique Trennepohl disse...

Marcelão, respondido nos marcadores da postagem.
Sobre os "elementos" que citei na postagem, destaco o box da equipe "Besc / Repecon", do piloto florianopolitano Leonardo Nienkotter, a faixa estendida acima do box dele que faz referência a Florianópolis ser, já naquela época, a "capital turística do Mercosul" e por fim o saudoso Laércio Justino, de macacão branco e verde ao lado da mureta.
Vale também uma menção aos boxes, antes da última reforma pela qual o "AIC" passou, que na época ainda eram bem 'rústicos'.

Francis Henrique Trennepohl disse...

Faltou dizer: ao volante do Escort 21 está o "Beto", que também atende por Roberto Alexandre Pruner

Marcelo Cancian disse...

Show de roda...
Muito legal
Valeu,Alemão.....

Deivicris de Cristo disse...

Agora, vamos falar né, como não admirar o Beto? Um cara eclético e que sempre fez bem feito por onde passou. Um piloto que, se tivesse no lugar certo na hora certa, seria digno de figurar entre pilotos como Ingo Hoffmann, Paulo Gomes, Fabio Sotto Mayor, Nonô Figueiredo, entre tantos outros que, nessa época, andavam em tudo que era categoria. Tenho certeza que o Beto não deveria nada pra essa turma e ainda teria sempre o diferencial de ser Terráqueo. As corridas na chuva teriam outro significado nas categorias nacionais com ele na pista, tenho certeza disso.
Abraços, Poeiras!

Francis Henrique Trennepohl disse...

1.000% de acordo!